Boa noite!           Terça 23/04/2019 21:33
Artigo Comentado - Julho/2014

VOCÊ TEM SEDE DE QUÊ? – UM ESTUDO RANDOMIZADO SOBRE ALÍVIO DE SEDE EM PACIENTES GRAVES

 

Luciano Azevedo
Médico da UTI da Disciplina de Emergências Clinicas do HC-FMUSP
Médico da UTI da Disciplina de Anestesiologia e Medicina Intensiva da UNIFESP
Pesquisador do Instituto Sirio-Libanes de Ensino e Pesquisa.

Comentário sobre o estudo:

A randomized clinical trial of an intervention to relieve thirst and dry mouth in intensive care unit patients. Puntillo K, Arai SR, Cooper BA, Stotts NA, Nelson JE. Intensive Care Med. 2014 Jun 4.

 

A sensação de sede é uma percepção que denota a urgência em beber líquidos. É um sintoma multifatorial que é sentido em termos de intensidade e de desconforto e que associa-se frequentemente com boca seca (xerostomia). Em termos de pacientes graves, a sede é muito pouco caracterizada e tratada pelos profissionais que atuam na UTI. Porém, é um dos sintomas mais frequentemente relatados por pacientes, sendo reportado em cerca de 70% dos inquéritos em pacientes graves. Para os pacientes, a sede é frequentemente mais intensa do que outros sintomas igualmente importantes como fome, fadiga, dispneia, ansiedade, dor, etc. Do mesmo modo, não existem estudos que preconizem intervenções para alivio da sede em pacientes críticos.

Estudos prévios sobre sede em pacientes internados (não em UTI) ou voluntários saudáveis demonstraram a eficácia de sprays de água fria estéril a partir de garrafas de esguicho, cotonetes de água fria estéril, e um hidratante mentol. A água fria sacia a sede de forma mais eficaz do que água à temperatura ambiente e é preferida porque oferece maior alívio da boca seca. A água fria também pode estimular uma maior produção de saliva que água quente, o que pode, por sua vez, aliviar a xerostomia. Sprays de água do esguicho de garrafas e cotonetes para umedecer a boca e a língua têm sido demonstrado serem eficazes para alivio da sede em pacientes com insuficiência cardíaca e restrição de líquidos. Como a água fria, mentol estimula receptores sensoriais de frio na boca por descarga nervosa nesses receptores, podendo também aliviar esses sintomas.

Este estudo realizou uma intervenção com objetivo de proporcionar redução na sede e na boca seca em pacientes de UTI através de medidas simples que podem ser facilmente reprodutíveis. O trabalho foi realizado em diferentes tipos de UTI totalizando 77 leitos, de forma prospectiva e randomizada, na Califórnia, EUA. Não houve exclusão do estudo se o paciente não pudesse receber líquidos por via oral, ou seja, este fato não contra-indicou o tratamento. Foram excluídos apenas pacientes entubados cujos níveis de sedação não permitiam uma avaliação objetiva da sede. Foram incluídos no estudo 252 pacientes que inicialmente tiveram sua intensidade de sede avaliada antes da intervenção. Para analisar a intensidade da sede, foi utilizada a escala numérica de 0-10, sendo incluídos aqueles pacientes que relataram desconforto ou intensidade da sede acima de 3 na escala. Pacientes entubados eram avaliados com uma lamina de papel na qual o paciente marcava a intensidade da sede na escala. Em média, a intensidade da sede dos pacientes antes da intervenção foi de 5.5.

A intervenção consistiu de swabs orais e água em sprays, e hidratante mentol aplicada aos lábios do paciente. A intervenção completa foi realizada em 15 min. A seguir, um novo pesquisador cego para os procedimentos realizados e para a intensidade da sede relatada no exame anterior foi convocado e novamente mensurou a intensidade da sede e o desconforto causado pela sede. Esses procedimentos foram repetidos em até 3 vezes no primeiro e segundo dia do estudo, se o paciente permanecesse na UTI. A intervenção foi eficaz em reduzir a intensidade da sede dos pacientes em torno de 2.3 pontos, o que foi estatisticamente e clinicamente significativo. Esse kit de tratamento da sede foi capaz ainda de aliviar os sintomas de boca seca nessa população. A principal limitação do estudo diz respeito ao fato de que apenas uma pequena parte dos pacientes estavam entubados sob ventilação mecânica. Nessa população, o fato de permanecerem com boca aberta pode precipitar os sintomas de sede e a xerostomia. Mais estudos precisam ser realizados nesse grupo de pacientes.

Assim, em conclusão, a sede e a boca seca são sintomas frequentes em pacientes graves internados em UTI. Uma intervenção simples e facilmente reprodutível pode aliviar esses sintomas e deve ser preferencialmente integrada à pratica assistencial.